No Comment
03/11/2020
07: 20 AM

Elizabeth levantou-se da cama como se aquele dia fosse diferente, Alberto havia ido viajar para o Japão na noite anterior depois do jantar no restaurante de Leona, naquela hora em que acordava Elizabeth tocou-se que teria mais responsabilidades dentro de sua própria casa com seus filhos e sua nora. Na hora em que se levantou ela olhou para um grande quadro com uma foto do casal em cima da cama. Naquela hora Elizabeth pensou que sua missão de desmascarar o marido e a amante quando ele voltasse de viagem seria difícil, aquilo era tudo o que ela menos queria, no fundo ela sentia amor por Alberto. Elizabeth achava que vivia um conto de fadas com o marido, que a relação entre os dois era extremamente perfeita, mas naquele dia e naquela hora Elizabeth acordou do conto de fadas, e chorou.

Enquanto na casa de Fernanda...
Fernanda estava sentada no tapete de seu quarto, na sua frente estava à antiga caixinha e a chave dourada que Bernadete (ou mais conhecida como Madame Boulevard) havia lhe dado. Fernanda estava muito indecisa se abria ou não aquela misteriosa caixa, afinal não tinha entendido nada do que ocorrera na noite anterior, principalmente quando Madame Boulevard lhe revelou seu nome, e aquela frase de Madame Boulevard vinha sempre em sua cabeça ‘’COM O TEMPO VOCÊ VAI ENTENDER TUDO’’. Fernanda parou por 1 minuto pensando naquilo e rapidamente pegou a pequena chave e abriu a caixa de olhos fechados, quando ela viu o que tinha dentro da caixa tomou um grande susto.
-Meu Deus do Céu, isso não pode ser verdade, eu não acredito nisso. Disse olhando fixamente dentro da caixa.

Na casa de Juliana...
A porta na casa de Juliana abria devagar por alguém, era Marcelo e seus pais que chegavam do hospital, logo de entrada Marcelo já se depara com Juliana deitada no sofá dormindo, e ao lado dela uma garrafa de vinho e dois plásticos acabados de chocolate.
-Nossa que visão horrível. Disse Diana com desprezo ao ver a nora naquele estado.
-Mãe, por favor, tenha modos, não se esqueça do que conversamos no caminho.
-Desculpe meu filho, mas ao menos deixe eu e seu pai subirmos para trocarmos de roupa enquanto você acorda essa menina. Disse Diana pegando nos braços do marido e subindo para o quarto de hospedes no qual eles estavam dormindo desde que chegaram.
Marcelo foi chegando bem devagar perto de Juliana, deu um beijo em sua bochecha e deu um leve empurrãozinho nela para acordar.
-Bom dia minha pretinha.
Juliana acordou naquela hora com uma tremenda dor de cabeça e olhou para o namorado Marcelo com uma cara de ressaca e disse:
-Nossa, parece que estouraram uma bomba em minha cabeça. Disse ela passando a mão na nuca e sentando-se devagar.
-Finalmente cheguei do hospital pra ficar com você, eu pensei que você fosse se cuidar direito durante minha ausência. Disse Marcelo passando a mãos nos cabelos de Juliana.
-Desculpa querido, eu fiz tudo errado, me senti culpada pelo que aconteceu com sua mãe, e me senti frustrada depois de tudo que aconteceu ontem, acabei bebendo para esquecer todos os problemas, não esta sendo fácil pra mim desde que sua mãe veio para cá com seu pai.
-Eu sei July, e eu entendo tudo isso, mas você tem que ver meu lado, eu apenas queria reunir vocês duas, fazer minha mãe e meu pai esquecer esse antigo preconceito contra você. Eu te amo July, não quero mais ver você sofrendo como estava ontem. Disse Marcelo dando um beijinho em Juliana.
-Eu prometo tentar mudar com sua mãe, farei de tudo pra que minha relação com ela melhore. E quanto a nós dois, devemos sair mais e curtir mais nossa relação há muito tempo não fazemos isso. Disse Juliana dando um grande beijo em Marcelo.
-Amor, agora me faz um favor, corre direto pro chuveiro comigo pra gente tirar juntos esse cheiro de vinho que esta em você. Disse Marcelo rindo e pegando Juliana nos braços diretamente para o banheiro de seu quarto.

Na casa de Fernanda...
Fernanda ficou intrigada ao abrir a caixa, havia uma boa quantia em dinheiro e uma carta dentro da caixa. Na carta estava escrita:
QUERIDA FERNANDA...
VOCÊ DEVE TER ABERTO ESSA CAIXA SEM SABER DIREITO DO QUE SE TRATA. NA VERDADE, TUDO O QUE ESTA DENTRO DESSA CAIXA FAZ PARTE DAS MINHAS ECONOMIAS DURANTE TODA MINHA VIDA. NESSE MOMENTO VOCÊ DEVE ESTAR ESTRANHANDO O FATO DE EU ESTAR LHE DANDO ESSES 50 MIL REAIS.
NA REALIDADE VOCÊ SABE UM POUCO DA MINHA VIDA, E TEM CONHECIMENTO QUE EU NUNCA TIVE FILHOS OU FAMÍLIA, POR ISSO RESOLVI DAR ESSE DINHEIRO A VOCÊ, UMA PESSOA QUE SEMPRE CONFIEI E SEMPRE FOI O MEU BRAÇO DIREITO. ESPERO QUE FAÇA BOM PROVEITO DESSE DINHEIRO, INFELIZMENTE VOU TER QUE VIAJAR POR UM ALGUNS LONGOS MESES, NÓS SÓ NOS VEREMOS DEPOIS QUE EU CHEGAR DE VIAGEM. ESPERO QUE TENHA GOSTADO DESSA SURPRESA.
ABRAÇOS BERNADETE.

Fernanda ao terminar de ler a carta não entendeu porque Madame Boulevard estava lhe dando aquela quantia em dinheiro, sua cabeça estava ficando confusa, estavam acontecendo tantas coisas em tão pouco tempo. A campainha em sua casa começa a tocar, rapidamente ela esconde a carta e a caixa com o dinheiro e corre para atender.
-Bom dia Márcia, que bom te ver, entre rápido.
Era Márcia que estava na porta, Fernanda a pegou pelo braço rapidamente e a trouxe para dentro.
-Nossa menina, calma, que pressa é essa? Perguntou Márcia assustada.
-É uma longa história amiga, eu tenho que te contar com muita calma. Disse Fernanda sentando-se no sofá.
-Pela sua cara parece que coisa boa não deve ser. Disse Márcia sentando-se ao lado da amiga.
-Digamos que é uma situação estranha. Mas me conte Márcia, sem querer ser muito curiosa, onde você foi hoje tão cedo?
-Nossa, eu nem comentei com vocês, como eu sou esquecida, eu vou fazer uma viagem.
-Viagem, outra? Você acabou de chegar dos Estados Unidos há pouco tempo e já quer partir pra outra?
-Sim, sim, estou partindo pra outra, mas essa é pra dentro do país, nada muito longe.
-Quando que você vai viajar?
-Provavelmente depois de amanhã, não sei ainda. Bem agora me conte o que aconteceu Fernanda, por que você esta tão afobada.
-Bem, vou te contar a história desde o inicio...

07: 50 AM
-... E hoje eu consegui abrir essa caixinha, e foi ai que veio essa surpresa. Disse Fernanda terminando de contar a longa história.
-Nossa que coisa mais estranha Nanda, bem, vai ver que Madame Boulevard, ou melhor, Bernadete tenha um grande afeto com você e decidiu dar esse dinheiro como uma herança.
-Sim, pode ser Márcia, mas eu acho muito dinheiro, isso que eu não entendo.
-Nós sabemos que Madame Boulevard possui muito mais dinheiro do que isso, você mesma me dizia que ela não era uma mulher de gastos.
-Isso é verdade, ela deve ter pegado o dinheiro que sobrou pra fazer alguma viagem ao exterior, ela disse na carta que eu não conseguiria achar ela tão cedo por causa dessa longa viagem dela.
-Essa mulher podia ter inventado de ir viajar em outra hora, logo agora que você mais quer falar com ela, ela some. Disse Márcia levantando-se do sofá.
-Verdade, é muito estranho amiga. E você já vai embora? Perguntou Fernanda levantando-se também.
-Sim, já vou indo, tenho que arrumar as malas e resolver algumas coisas do meu emprego antigo, eu vou indo minha querida, cuide-se. Disse Márcia dando um beijo na bochecha da amiga e indo embora.

Na casa de Kátia...
Todos estavam na mesa tomando café em silêncio. Leandro tenta quebrar um pouco do clima gelado puxando assunto.
-A Glória caprichou no café hoje, esse bolo de chocolate está uma delícia.
O silêncio continuou, até que.
-Eu o tirei completamente da minha vida ontem de madrugada. Disse Kátia levantando a cabeça e olhando para os filhos.
Todos olharam para Kátia surpresos mesmo sem entender do que se tratava.
-Você está falando de quem mamãe? Perguntou Steffani sem nem saber da briga que ocorrerá na noite anterior.
-Mariana sabe muito bem de quem estou falando. Respondeu Kátia olhando diretamente para Mariana.
-Por acaso você esta se referindo ao Paul? Perguntou Mariana olhando igualmente para a mãe.
-Ele mesmo. Ontem após nossa briga, por volta da uma da madrugada resolvi ligar para o Paul, perguntei se ele viria logo me ver e ele respondeu que não, foi então que resolvi tira-lo da minha vida. Eu percebi que vocês nunca gostaram dele mesmo.
-Fico feliz de que a senhora tenha escolhido o melhor caminho pra tudo isso. Disse Mariana abrindo um leve sorriso no rosto.
-Eu peço desculpa meus filhos, eu apenas queria achar alguém para poder passar momentos amorosos ao meu lado.
-Você não precisa disso mãe, você tem a nós. Disse Leandro tentando confortá-la.
-Leandro, filho, eu digo carinho de casal, vocês sabem que eu nunca tive isso, depois do seu nascimento Leandro nunca mais tive noticias de seu pai, ele me deixou sozinha no mundo com três filhos para criar e graças a Deus conseguimos subir na vida sem a ajuda daquele canalha. Disse Kátia deixando escorrer algumas lágrimas.
-Mãe, nós queremos que você arrume uma pessoa. Mas pelo menos arrume uma pessoa boa. Disse Mariana levantando-se e aproximando-se da mãe.
-E por que tanta implicância com o Paul Mariana? Perguntou Kátia desbotando a chorar.
-Eu deixo minha intuição falar mais alto, mamãe não confio nele, seria horrível conviver dentro da nossa própria casa uma pessoa na qual não confio. Disse Mariana.
-Eu também não vou com a cara dele, ele é estranho. Disse Steffani.
-Tudo bem meus filhos, prometo que se eu me apaixonar outra vez será por uma pessoa agradável, me desculpem. Disse Kátia abraçando os três filhos.
-Nós que pedimos desculpas também mamãe. Disse Mariana.

08: 19 AM
Na casa de Juliana...
Diana e Rafael estavam sentados no sofá assistindo televisão, Juliana e Marcelo estavam sentados na mesa tomando café. Juliana lia um jornal.
-O que tanto você procura nesse jornal amor? Perguntou Marcelo para Juliana.
-Estou procurando um emprego, não consigo mais ficar parada sem trabalho, eu achei um de cozinheira no restaurante Wind, me agendaram um teste para amanhã. Respondeu Juliana abaixando o jornal e olhando para o namorado.
-Já estava na hora de arrumar um bom emprego. Disse Diana da sala. A sala de Jantar é unida com a sala de estar separada por um batente, os dois cômodos eram grandes assim como de todas as casas do condomínio.
-Verdade, já estava na hora, pelo menos eu não vou mais ficar em casa agüentando desaforo e conversando com más companhias. Responder Juliana com ironia pra sogra.
-Mamãe, por favor, eu e a senhora já tivemos uma conversa.
-Desculpe meu filho.
-Bem, continuando o assunto, eu vou conversar com a Elizabeth pra ver se ela consegue me ajudar com esse emprego, ela e Leona se conhecem já a um bom tempo. Disse Juliana já não ligando mais para o que à sogra falava.
-Esse emprego me parece ótimo, o salário também é ótimo. Disse Marcelo.
-E você meu filho, trabalha a que horas? Perguntou Rafael para Marcelo.
-Trabalho no período da noite, é mais movimentado o restaurante do hotel, o pessoal adora nossa música. Respondeu Marcelo levantando-se e indo para o sofá ao lado do pai.
-Que bom meu filhão, quem sabe um dia você realize seu sonho de tocar no exterior e quem sabe lançar seu primeiro Cd. Disse Diana.
-Um dia eu chego lá, não vai ser nada fácil, mas eu chego lá. Respondeu Marcelo sendo beijado pela mãe.
-Amor, eu to indo dar uma passadinha na casa da Beth e depois eu vou fazer compras no shopping com ela, até mais tarde. Disse Juliana saindo.
-Você viu a resposta que ela me deu filhinho. Disse Diana para o filho percebendo que a nora já havia saído.
-A senhora começou a provocação, ela apenas respondeu, não podia simplesmente ficar quieta. Respondeu Marcelo para a mãe.
-Pare com essa implicância Diana, a menina não merece tudo isso. Disse Rafael.
-Você esta do lado daquela mulher Rafael? Disse Diana nervosa.
-Não estou do lado de ninguém Diana, não me meta nas suas encrencas. Disse Rafael subindo para o quarto.
-Ótimo! Agora você e seu pai contra mim, eu não mereço isso. Disse Diana passando a mão na testa e sentando-se no sofá.
-Pare de fazer drama mamãe, eu sei muito bem o porquê dessa implicância com a Juliana, não precisamos tocar nesse assunto outra vez, eu espero que você mude algum dia. Agora me de licença, eu tenho ensaio com a banda, até mais ver. Disse Marcelo se retirando.
-Isso não vai ficar assim, essa garota não sabe com quem está mexendo, ela ainda vai provar meu veneno, ah se vai. Disse Diana para si mesma.

Na casa de Elizabeth...
Elizabeth descia as escadas em direção a cozinha e sente um agradável cheiro de café e bolinhos de chuva vindos da cozinha, ela corre rapidamente para ver quem estava cozinhando e se depara com Amanda de avental fazendo o café.
-Bom dia Dona Elizabeth, comprei pães fresquinhos na padaria, fiz o café e estou terminando de fritar esses bolinhos de chuva com limão, espero que a senhora goste. Disse Amanda sorridente.
-Nossa Amanda, eu estou surpresa, que bom que você preparou o café para nós. Disse Elizabeth sentando-se na mesa e pegando um bolinho.
-Espero que tenha gostado da surpresa sogrinha, agora é só eu você e os meninos morando nessa casa. E não se preocupe eu sempre vou estar te ajudando, eu moro nessa casa e tenho o dever de ajudar. Disse Amanda terminando de fritar os últimos bolinhos.
-Os garotos foram para a escola?
-Sim, foram, acabaram saindo atrasados os dois sem comer nada. Disse Amanda sentando-se na mesa com Elizabeth.
-Você sente saudades do colégio Amanda? Perguntou Elizabeth,
-Para ser sincera, eu sinto sim, mas não posso continuar carregando um filho na barriga, vou começar a me tornar uma verdadeira mulher pelo menos terminei o primeiro e segundo colegial, sei que não vai valer de muito, mas no futuro pretendo terminar os estudos.
A campainha toca. Elizabeth pede licença da conversa para atender
-Bom dia amiga. Disse Juliana quando Elizabeth abriu a porta.
-Olá July, entre.
-Como está sendo seu dia com o Aberto há 12 horas longe de você? Perguntou Juliana rindo.
-Amanda está cozinha July, a gente conversa sobre isso depois. Respondeu Beth sentando no sofá junto com Juliana.
-Entendo, vamos mudar de assunto que é melhor.
-A que devo sua visita até aqui, faz tempo que a gente não senta pra conversar.
-Verdade Beth. Eu vim aqui pra gente conversar um pouco, colocar as novidades em dia e te fazer um pedido de amiga.
-Sogra, você não vai vir tomar café? Perguntou Amanda entrando na sala.
-Ah sim, vamos conversar na cozinha July. Disse Elizabeth levantando com Juliana.
-Olá Juliana. Cumprimentou Amanda.
-Oi Amanda, tudo bem com você e o bebê?
-Sim, tudo ótimo, graças a Deus. Respondeu Amanda sorrindo.

Passados 20 minutos na cozinha de Beth...
-... E eu não estou mais agüentando minha sogra Beth, aquela mulher é um inferno na minha vida. Disse Juliana a Beth, Amanda já não estava mais na cozinha, havia ido fazer caminhada ao lado de Steffani e Kátia.
-Você tem que agüentar amiga, quando você menos esperar essa jararaca vai estar longe de você. Você tem previsão de quando ela vai embora?
-Nenhuma, até agora ninguém tocou nesse assunto, seria castigo demais se ela ficasse morando em casa por um mês ou mais, não gosto nem de pensar nisso. Respondeu Juliana rindo.
-E mudando de assunto completamente, por que daqui a pouco temos que ir ao shopping, o que você queria me pedir mesmo? Perguntou Elizabeth.
-Eu queria que você me desse um empurrão na minha carreira. Respondeu Juliana sem jeito.
-Um empurrãozinho, como assim? Você quer voltar a trabalhar? Perguntou Beth.
-Eu tenho um teste pra trabalhar como cozinheira no restaurante da sua amiga Leona, eu queria que você me desse um leve empurrão, você sabe que sou uma boa cozinheira, mas eu tenho medo de sua amiga não gostar.
-Bobagem minha querida, Leona com certeza irá escolher você para trabalhar no restaurante dela, mas tenha certeza que eu irei te recomendar hoje mesmo para ela.
-Eu agradeço amiga.
-Imagina July, eu sempre vou te ajudar no que for possível, agora me da licença eu vou me trocar para nós irmos ao shopping. Disse Elizabeth se retirando da cozinha e indo para o quarto.

11: 00 PM
Na casa de Márcia tudo por dentro estava escuro, nenhuma luz acesa, Márcia estava no fundo da cozinha apenas com uma vela acesa no castiçal e o celular na mão fazendo uma ligação.
-Boa noite sócia, eu já arrumei todas as minhas bagagens e estou indo amanhã às 9 para o hotel te esperar no quarto 125, e não se preocupe porque ninguém esta desconfiando de absolutamente nada, eu espero te encontrar lá depois de amanhã e nós iremos sair de lá por volta do meio-dia do dia seguinte...

Enquanto isso na casa de Fernanda...
Fernanda e Pietro estavam na sala de estar assistindo um filme romântico.
-Não existe coisa melhor do que ficar com meu namoradinho grudadinho assistindo um romance. Disse Fernanda toda feliz deitando ao lado de Pietro no enorme sofá cama.
-Espera aí, você disse namoradinho? Perguntou Marcelo rindo.
-Isso mesmo, namoradinho, eu pensei bem e cheguei à conclusão de que tenho que oficializar o nosso namoro,
-Que ótima noticia senhorita Fernanda, eu fico feliz em sabem que o meu sonho se realizou. Disse Pietro abraçando a amada.
-Que tal a gente comemorar com uma noite de amor hein?
-Eu adoraria. Respondeu Pietro todo animadinho. Naquela hora infelizmente a campainha toca insistentemente.
-Quem será a essa hora da noite? Disse Pietro levantando rapidamente para atender a porta.
-Deve ser coisa séria Pietro, melhor irmos nós dois atender juntos a porta. Disse Fernanda também se levantando e indo do lado de Pietro. Na hora que eles abriram à porta tiveram uma grande surpresa.
-Boa noite Pietro, eu acho que nós três precisamos ter uma séria conversa. Era Marina que estava na porta, Pietro e Fernanda naquela hora ficaram paralisados em frente à porta, até um trovão deu naquele momento.

FIM DO CAPÍTULO
 

This Post has No Comment

Postar um comentário

Postagem mais antiga Postagem mais recente