No Comment
01/11/2020
07h00min AM

É de manhã, e o sol aparece a brilhar os pingos de chuva que ontem caíram e ainda estavam no asfalto.
Orfeu pela primeira vez havia levantado cedo, e estava bem animado. Orfeu era acostumado a acordar cedo parecia que naquele dia ele iria mudar essa atitude, ele havia sonhado outra vez que morria na hora que ele levantou do sonho pensou bem e quis viver a vida ao invés de ficar deitado dormindo. Orfeu tinha pelo menos sonhos assim duas vezes por mês, e ele nunca entendia direito, já sonho até que morria rindo. Orfeu sempre ficava intrigado com esse tipo de sonho, o sonho que o mais deixou intrigado era aquele no qual ele ia visitar Fernanda no hospital, ele não entendia aquilo, porque iria visitar alguém na qual não tinha muito contato? E Fernanda nem ao menos era parente dele.
Orfeu desceu para a cozinha para preparar o café da manhã e tratou de esquecer logo o sonho que teve aquela manhã, foi logo preparando uma omelete e pensando na festa que faria em seu aniversário, ele iria fazer 60 anos no próximo dia 10 de novembro. Orfeu estava muito animado.
Na casa de Elizabeth, Alberto estava se arrumando pro trabalho, e Elizabeth como sempre ajudando ele a escolher uma gravata que combinasse.
-Depois de Amanhã eu acho que vou viajar amor. Disse Alberto enquanto arrumava o cabelo.
-Viajar?Para onde? Pra que? Dizia Elizabeth surpresa.
-Provavelmente vou para o Japão, uma reunião de negócios, os japoneses querem que a reunião seja feita por lá mesmo, fazer o que né, eu acho que em uma semana eu vou estar de volta. Continuou Alberto já arrumando sua pasta e dirigindo-se a porta.
-Então ta bom. Disse Elizabeth dando um beijo em Alberto e o acompanhando até a garagem.
Lá fora do outro lado da calçada estavam Marcelo e Juliana se aprontando para dar uma caminhada no condomínio, eles cumprimentaram Alerto e Elizabeth.
-Nos acompanhe Elizabeth, nós esperamos você se trocar. Disse Julia
-Me dêem um minutinho, tchau amor. Disse Elizabeth entrando em casa pra se arrumar.

07h: 50 min
Marina e Pietro tinham acabado de acordar, estavam arrumando a cadeirinha e a mesinha em frente à calçada para poderem tomar café, naquela manhã Orfeu resolveu tomar café com eles Marina virou o rosto e deu de cara com Amanda indo para a casa de Elizabeth.
-Oh! Amanda, querida, que saudades. Dizia Marina indo de encontro à garota.
-Como anda seu namoro com o Pedro, vocês dois são um casal tão lindo, Elizabeth é tão orgulhosa de ter uma nora como você. Continuo Marina falando.
-Muito Obrigada dona Marina, a minha avó pediu para que você apareça para fazer uma visitinha a ela. Disse Amanda encabulada, entrando já para a casa de Elizabeth.
-Apareço sim minha linda, fala que eu apareço, agora vai lá namorar, beijo tchau. Despediu-se Marina.
Quando entrou da casa de Elizabeth, Amanda foi para a cozinha para tomar um copo de água, respirou bem fundo, e com uma cara meio abatida subiu para o quarto de Pedro, chegando lá em cima foi batendo na porta do quarto e entrando devagarzinho
-Bom dia meu anjinho. Disse Amanda sentando-se na cama e dando um beijo em Pedro.
Pedro acordou.
-Oi Amandinha, nossa porque você apareceu tão cedo assim, o nosso combinado era meio-dia no mínimo. Disse Pedro passando a mão no rosto e de olhos fechados.
-Nós precisamos conversar seriamente. Disse Amanda, um silêncio tomou conta do quarto.

Dez Minutos depois

Elizabeth chega da caminhada e vai indo direto para a cozinha comer alguma coisa e tomar uma água, de repente ela começa a ouvir gritos de choro vindo do andar de cima, assustado ela sobe as escadas correndo. Chegando ao quarto de Pedro era Amanda que estava chorando.
-Mãe tira essa garota daqui, por favor, antes que eu faça uma besteira. Disse Pedro sentado na cama, seminu e com um corte de vidro na mão, ele tinha brigado com Amanda e tacado o copo no chão.
-Meu Deus, o que aconteceu aqui. Disse Elizabeth espantada. Amanda correu para fora do quarto, ficando atrás de Elizabeth.
-Eu estou grávida dona Elizabeth, do Pedro e ele não admite isso. Dizia Amanda aos prantos
Elizabeth ficou parada como se tivesse levado um baque.
-Grávida, do meu filho. Pedro como você pode, eu sempre te alertando para usar preservativos, você vai assumir essa criança Pedro, por bem ou por mal, filho meu tem que assumir o que faz. Disse Elizabeth furiosa pegando Pedro pelo braço.
-Peça desculpa a garota agora, ela não tem culpa de suas irresponsabilidades.
-Desculpe Amanda, eu sei que fiquei muito nervoso, mas, por favor, vá embora agora não estou em condições de conversar, por favor. Disse Pedro chorando e olhando nos olhos de Amanda.
Amanda se retirou e foi para casa dela, Pedro abraçou a mãe bem forte os dois começaram a chorar.
Lá fora Marina estranhou ver Amanda saindo chorando da casa de Elizabeth, mas nada perguntou a garota.

Enquanto isso na casa de Juliana e Marcelo, os dois pareciam que tinham esquecido a briga da noite passada, estava sorridentes e animados.
-Amor, eu decidi uma coisa, eu não vou mais tocar no Jazzman. Disse Marcelo.
-Não vai mais tocar por lá, mas por quê? Disse Juliana espantada com a decisão do namorado.
-Hoje recebi uma ligação do meu amigo que toca no restaurante de um hotel de classe alta aqui em São Paulo. Ele me chamou pra tocar com ele, o salário é muito melhor do que eu ganho no Jazzman e a gente vai poder melhorar nossa vida, quem sabe eu até consiga um emprego pra você lá. Disse Marcelo todo animado.
-Amor, que noticia boa, nossa isso me deixou feliz você não faz nem idéia, mas que horas você recebeu a ligação? Disse Juliana emocionada, afinal o marido iria ganhar um salário digno do trabalho e iria para um lugar mais organizado e bem mais bonito.
- Aquela hora que você parou com a Elizabeth para conversarem com aquela senhora o telefone tocou e era ele, ai eu não quis falar nada porque queria fazer uma surpresa.
Juliana deu um grande beijo em Marcelo, jogou ele no sofá e disse.
-Finalmente seus sonhos estão começando a nascerem, depois disse quem sabe daqui a algum tempo você conquiste a orquestra, eu estou muito feliz por você Marcelo, você nem imagina eu quero que tudo de bom ocorra em nossas vidas. Disse Juliana lacrimejando.
-Eu também meu amor, eu também. Completou Marcelo.

08h10min
Na casa de Márcia Fernanda já estava acordada assistindo televisão, Márcia havia saído para trabalhar afinal tinha tirado um mês de férias nos Estados Unidos precisava voltar ao trabalho, mas ela não estava mais no pique de trabalho, aquele poderia ser seu último mês, ela trabalhava como corretora de imóveis.
Juliana, Márcia, Fernanda, Elizabeth e Kátia, das 5 amigas apenas duas ainda trabalhavam, era Juliana e Márcia, afinal Elizabeth e Kátia se casaram com maridos que deram uma boa condição financeira para elas. Ao contrário de Fernanda que tinha casado com um cara por impulso, o casamento durou apenas 2 meses, o cara queria ser bancado por Fernanda. Juliana trabalhava para ajudar Marcelo a pagar as contas, ela não achava justo o marido ficar trabalhando enquanto ela fique descansando em casa, Juliana trabalhava de garçonete apenas por falta de emprego em sua área, ela era formada em enfermagem, mas ainda pretendia arrumar emprego em um bom hospital. Márcia era uma mulher que queria buscar sua independência sozinha sem depender de homem, nunca casou nem teve um relacionamento duradouro, era como Fernanda, queria curtir a vida solteira, sem compromissos conjugais.
A campainha na casa toca, Fernanda vai para atender, era Elizabeth que estava na porta.
-Nanda, me deixa ficar um pouco aqui com você. Disse Elizabeth meio triste.
-É claro entre, amiga, que cara é essa? Disse Fernanda.
-Amanda, a namorada do meu filho, apareceu em casa hoje cedo dizendo que estava grávida dele, agora eu não sei o que fazer, ele vai ter que assumir o filho é o único jeito, e vamos esperar para ver como os pais dela vão reagir a essa noticia. Disse Elizabeth indo para a cozinha tomar um copo de suco.
-Nossa, e eu achando que o Pedro era um anjinho virgem, uau. Disse Fernanda espantada.
-Para de besteira Nanda, ninguém hoje em dia é inocente, até o Matheus que é meio quieto eu desconfio de muitas coisas que ele vem fazendo, mas eu fico calada porque eu quero que ele venha me falar. Disse Elizabeth começando a chorar.
-Eu não vivo uma vida de alegrias como vocês todas pensam, eu sofro mais que vocês, e eu sei de tanta coisa que eu tenho que ficar quieta pra não arrumar briga, eu não sou feliz Fernanda, parece que as coisas fugiram do meu controle. Continuo Elizabeth falando e chorando.
-Não se apavore você sabe que pode contar com suas amigas pra qualquer problema, os seus filhos são maravilhosos e você sabe disso. Você deu uma educação divina pra eles, e já que Amanda ficou grávida do Pedro, veja o lado bom da coisa você vai ter uma netinha linda, e eu tenho certeza que ela vai ter muito amor. Disse Fernanda abrçando a amiga.
-Se minhas suspeitas de que o Matheus seja Gay se confirmarem não irei me abalar amiga, mas o meu maior medo é que Alberto esteja me traindo, estou com medo de que tudo se confirme, em relação ao meu filho eu estou tranqüila, eu sempre vou amar ele, mas o Alberto eu não irei perdoar nunca. Falava Elizabeth.
-Amanha provavelmente a Kátia estará voltando de viagem, e eu sei que ela vai te ajudar a descobrir se o Alberto trai você, não se esqueça que ela tem anos de experiência como detetive. Disse Fernanda confortando a amiga
-Verdade, lembra quando ela descobriu na faculdade que o Jorge saia com a diretora em troca de notas boas e descontos nas faturas da mensalidade da faculdade. Disse Beth rindo – Agora me deixe ir para minha casa amiga, o Matheus já foi pra escola, mas eu ainda tenho o Pedro pra tomar conta, nem quis ir pra escola hoje achando que ia descansar e acabou passando por toda essa turbulência logo de manhã, fazer o que né? Tchau, beijo, quando a Márcia chegar eu volto pra cá pra gente conversar mais. Continuou Elizabeth falando e enxugando as lágrimas e dirigindo-se a porta.
-Vai lá Beth, até mais tarde. Despediu-se Fernanda.

08h30min.
Amanda tinha chegado a sua casa fazia 10 minutos, e tinha começado a contar a história para os pais dela e a avó, antes mesmo dela terminar o pai dela levantou-se e subiu para o quarto sem falar nada, ela continuou falando e sua mãe começou a chorar e interrompe Amanda.
-Eu sabia que um dia isso iria acontecer, você tinha que ter me ouvido filha, se você tivesse indo na igreja comigo e seu pai nada disso teria acontecido minha querida, você é apenas uma criança Meu Deus. Disse a mãe de Amanda chorando.
-Não tem nada a ver mãe, eu e o Pedro não fizemos nada de errado, nós apenas se esquecemos de nos proteger e isso não é um crime. Disse Amanda interrompendo a mãe.
-Eu duvido que se você andasse com as meninas da igreja isso teria acontecido, aquelas suas amigas promiscuas, pecadoras devem ter te influenciado a ter uma relação assim com Pedro.Continuou a mãe dela.
-Eu não acredito que isso aconteceu, se nossa família souber disso irão nos julgar culpados e nos iremos que inventar desculpa atrás de desculpa. Dizia a avó de Amanda.
-Você era meu orgulho filha como pode... Falou a mãe de Amanda, sendo interrompida por Otávio seu marido e pai de Amanda.
-Nesse teto você não dorme mais senhoria Amanda, Dizia Otávio segurando duas mochilas com roupas da filha e as deixando na porta.
-Procure abrigo na casa de seu namorado se quiser, aqui você não volta mais, e se você estiver contra mim Roberta acompanhe sua filha. Continuou Otávio.
-Pai, por favor, não faça isso, eu te peço. Disse Amanda aos prantos.
-Saia daqui garota antes que isso tudo piore e eu me aborreça. Disse Otávio.
Amanda olhou para todos os cantos da sala, sua Mãe e sua Avó olhavam para o chão chorando, elas não falavam nada, Amanda ficou pensando o que seria melhor fazer, sem falar nada se dirigiu a porta pegou as malas e saiu de casa.

FIM DO QUINTO CAPITULO
 

This Post has No Comment

Postar um comentário

Postagem mais antiga Postagem mais recente