No Comment
04/11/2020
07: 30 AM

Fazia uma bela manhã de sexta-feira naquele dia, na noite anterior havia tido uma forte pancada de chuva inesperada, mas aquele dia que nascia iria ser diferente, muito corrido e importante na vida de alguns e um dia turbulento e triste para outros.

-Vamos mais rápido, mãe e Matheus, eu quero chegar o mais cedo possível no hospital, eu to muito ansioso pra saber o sexo da criança. Disse Pedro todo animado ao lado de Amanda, os dois estavam esperando Elizabeth e Matheus se aprontarem para irem fazer o ultra-som para saber o sexo da criança que Amanda esperava, ela já estava de 4 meses.
- Fique calmo Pedro, não apresse sua mãe e seu irmão, a consulta é apenas às 8 horas. Disse Amanda tentando acalmar o namorado.
-Eu sei amor, mas eu to ansioso demais, quanto mais cedo chegarmos mais rápido iremos saber o sexo.
-Eu queria que os meus pais estivessem também comigo nesse momento. Disse Amanda abaixando a cabeça.
-Um dia eles irão ficar ao nosso lado Amanda, tenha certeza, quando eles virem o neto ou a neta o coração deles irá amolecer. Disse Pedro confortando a namorada.
-Eu espero que isso aconteça um dia, eu vou ficar muito feliz, mas eu agradeço a Deus por ter me dado você e sua maravilhosa família em minha vida. Disse Amanda deixando algumas lágrimas a escapar.
-Você já esta emocionada Amanda? Disse Elizabeth descendo as escadas toda animada.
-Estou sogra, muito, é um momento único em nossa vida. Respondeu Amanda abrindo um belo sorriso e segurando as lágrimas.
-Essa minha cunhada está muito emotiva, eu já imagino no dia do parto, você chorando de emoção e o Pedro apressando a casa inteira. Disse Pedro rindo, descendo as escadas atrás da mãe.
-Agora vamos parar de conversar e vamos direto pro hospital. Disse Pedro já abrindo a porta para sair.
-Espere meu filho eu vou pegar a chave do carro. Disse Beth pegando a chave em cima da mesa e acompanhando os filhos.

Enquanto isso na casa de Orfeu e Marina...
Orfeu acordou e estranhou que a mulher não estava deitada na cama.
-Que estranho, eu não vi a Marina deitada uma só vez essa noite. Disse Orfeu levantando-se da cama e indo até lá embaixo ver se a esposa estava em casa.
-Marina, Pietro, onde vocês estão? Ele gritava alto e ninguém respondia. Ao perceber que ninguém respondia Orfeu subiu rapidamente e trocou de roupa saindo em busca da mulher do filho, o primeiro lugar que ele pensou foi na casa de Fernanda, onde foi diretamente bater na porta e foi atendida por Fernanda que estava toda abatida e a cara toda machucada.
-Bom dia senhor Orfeu, em que posso ajudar o senhor? Perguntou Fernanda.
-Eu acordei e não encontrei o Pietro e a Marina dentro de casa, eu pensei que ele estivesse aqui com você, ele esta? Perguntou Orfeu desesperado.
-Fique calmo senhor Orfeu, ele está aqui sim, entre, por favor. Disse Fernanda dando espaço para Orfeu entrar em sua casa. A casa de Fernanda estava toda bagunçada, parecia que um vendaval havia passado por ali.
-Ele está na cozinha tomando café, eu vou subir e me arrumar, desculpe pela bagunça, eu espero que o Pietro lhe explique melhor o que aconteceu. Disse Fernanda subindo as escadas.
-Meu filho, você esta ai, eu fiquei muito preocupado com você. Disse Orfeu correndo para o filho e lhe dando um beijo.
-Eu estou bem pai, não se preocupe. Disse Pietro, ele também estava com uma aparência abatida, Pietro parecia que já havia tomado várias xícaras de café.
-O que aconteceu por aqui filho? Você e a Fernanda estão com aparências horríveis e a casa parece que foi virada do avesso.
-É melhor o senhor se sentar, a história não é boa, e a mamãe esta envolvida nela. Disse Pietro enchendo mais uma xícara de café para si próprio e outra para o pai.
-O que houve com sua mãe filho? Conte-me tudo, por favor, eu estou preocupado com ela, até agora não vi nenhum sinal dela.
-O senhor acabou de ver muitos sinais dela agora papai. Disse Pietro olhando para o pai que estava sem entender nada.
-Como assim meu filho?
-Essa bagunça toda aqui na casa da Fernanda é culpa dela, Fernanda esta com a cara toda arranhada por causa dela, e eu estou com essas olheiras na cara por causa dela também.
-Meu filho, como assim, porque você esta falando que sua mãe tem a ver com isso? Disse Orfeu indignado ao ouvir aquilo.
-Ontem à noite mamãe veio até aqui para conversar comigo e Fernanda, a gente estranhou porque já estava muito tarde, e ela entrou sem falar nada apenas nos cumprimentou. De repente ela começou a falar que era contra o meu namoro com a Fernanda e queria que nós nos separássemos imediatamente. Fernanda não admitiu aquilo e começou a pedir para que a mamãe saísse daqui, ela se recusou e as duas começaram a discutir, por isso a casa esta assim, dona Marina quebrou tudo em um acesso de raiva.
-Eu não posso acreditar nisso, sua mãe é uma mulher tão calma e pacífica, eu nunca pensei que ela fosse fazer isso, meu Deus a Fernanda deve estar se sentindo humilhada com tudo isso, eu preciso pedir desculpas a ela. Disse Orfeu mais indignado ainda.
-Se acalme papai, você não deve desculpas para Fernanda, quem deve é a mamãe, o senhor poderia ficar conosco para o café, você precisa se acalmar. Disse Pietro chegando bem perto do pai.
-Isso não vai ficar assim filho, eu vou atrás da sua mãe agora mesmo e resolver essa confusão, você sabe onde ela está? Perguntou Orfeu levantando-se furioso.
-Eu não sei pai, deve estar na casa da Kátia ou da Márcia, não tenho certeza ela não disse para onde ia, o senhor tem que se acalmar. Disse Pietro preocupado com o que o pai poderia fazer.
-Não se preocupe meu filho, eu sei o que estou fazendo, vou procurar ela na casa da Kátia e da Márcia. Disse Orfeu indo embora furioso.

Na casa de Márcia...
-Eu estou com medo do Orfeu me encontrar por aqui, tenho certeza que ele vai descobrir tudo o que eu aprontei ontem, estou com medo Márcia.
-Se acalme Marina, não se esqueça que não devemos confiar em Fernanda por isso temos que afastar o Pietro dela, ele nunca devia ter se envolvido com ela.
-Eu não te entendo Márcia, você e Fernanda sempre foram boas amigas, porque você esta agindo assim agora?
-Eu gosto muito da Fernanda, mas seu filho é uma pessoa boa demais para ela e nós sabemos muito bem sobre o passado da Fernanda, a senhora principalmente que acompanhou toda trajetória dela pela sua janela.
-Concordo com você, eu espero conseguir separar aqueles dois.
De repente a porta da frente se abre e Orfeu aparece furioso atrás de Marina.
-Marina, nós precisamos ter uma séria conversa imediatamente. Disse ele chegando à sala bem perto dela.
-O que houve meu querido, você está tão nervoso porque, o que houve? Disse Maria né assustando com a atitude do marido.
-Não faça teatro Marina, você sabe muito bem do que estou falando, por qual motivo você entrou na casa de Fernanda e fez toda aquela confusão. Continuou Orfeu furioso.
-Senhor Orfeu, eu tenho muito respeito pelo senhor, mas não admito que entre em minha casa se exaltando dessa maneira. Disse Márcia tentando acalmar Orfeu mesmo com medo.
-Me desculpe por ter me exaltado Márcia, vamos para casa Marina precisamos ter uma séria conversa em particular. Disse Orfeu pegando a mulher pelo braço.
-Com licença Márcia, desculpe por isso tudo. Disse Marina envergonhada.
-Não se preocupe Marina. Orfeu tente entender sua esposa. Disse Márcia ainda tentando acalmar Orfeu.
-Eu respeitei você Márcia, mas não se intrometa na minha vida particular com minha esposa eu sei muito bem o que eu vou fazer. Disse Orfeu saindo com Marina pelo braço.

Na casa de Juliana...
Todos já haviam acordado apenas Juliana ainda estava na cama, mas já estava levantando rapidamente.
-Nossa, eu passei demais da hora, que sono, daqui a pouco eu tenho o tenho o teste no restaurante. Disse Juliana entrando para o banheiro para tomar banho. Marcelo entrou no quarto.
-Bom dia meu amor, minha mãe preparou o café hoje, você não vai ter trabalho nenhum hoje. Disse Marcelo já dentro do quarto sentando na cama.
-Sua mãe preparou o café? Eu não posso acreditar nisso, um milagre está acontecendo hoje, é isso? Disse Juliana do banheiro rindo em deboche.
-Querida, pare com isso, minha mãe esta querendo te ajudar também, ela esta mudando muito. Disse Marcelo não gostando da brincadeira com a mãe.
-Desculpe amor, mas isso é meio estranho, vai ver que hoje é o dia de dar tudo certo para mim.
-Pensamento positivo sempre amor, eu vou descer pra comer um pão e preparar um para você. Disse Marcelo saindo do quarto.
Passados 5 minutos Juliana saiu do banho e foi direto pro guarda-roupa procurar a roupa de cozinheira que ela havia comprado há muito tempo, e havia chegado à hora de usar.
-Que estranho, eu jurava que tinha deixado a roupa aqui dentro, eu vou pegar pelo menos o sapato pra adiantar, isso é estranho. Disse Juliana abaixando para pegar seu sapato embaixo da casa.
-MEU DEUS. CACHORRO FILHO DA PU...
-O será que houve lá em cima? Perguntou Diana se assustando.
-Não sei mamãe, melhor eu subir pra ver o que aconteceu. Disse Marcelo correndo assustado.
-Não pode ser verdade meu Deus, não pode ser. Dizia Juliana sentada no chão chorando desesperada.
-O que houve amor? Disse Marcelo chegando rapidamente assustado no quarto.
-O cachorro da sua mãe acabou com a roupa que eu ia usar hoje no teste pro emprego. Dizia Juliana ainda chorando, mas ficando furiosa.
-Amor, fique calma você tem muitas roupas para usar.
-Não tente me acalmar Marcelo, eu mato sua mãe e aquele cachorro, tenho certeza que ela esta envolvida nisso, eu mato eles.
-Mas e suas outras roupas?
-A roupa que eu ia usar hoje era específica de cozinheira, eu queria causar uma boa impressão, isso não vai ficar assim vou pegar dinheiro e procurar alguma roupa nova pra poder usar hoje. Disse Juliana levantando e se acalmando pegando uma roupa e a bolsa.
-Você vai sair sem tomar café amor?
-Sai da minha frente Marcelo, não quero papo com ninguém. Disse Juliana saindo do quarto e indo embora.

-Não vai tomar café conosco Juliana? Perguntou Diana na mesa de jantar.
-Muito obrigado por oferecer dona Diana. Disse Juliana se aproximando bem de Diana.
-Você quer que eu coloque para você? Perguntou Rafael para Juliana.
-Por favor, Rafael. Obrigada.
Juliana tomou um pouco de café e disse suavemente para Diana.
-Esse café esta meio sem açúcar.
Juliana sem temer nada jogou todo o café em cima de Diana.
-Mas o que é isso, sua garota atrevida. Disse Diana furiosa levantando-se da cadeira.
-Me dêem licença queridos, tenho que comprar um uniforme novo para mim. Disse Juliana saindo gargalhando de casa.
-O que você aprontou Diana? Perguntou Rafael sem entender aquilo.
-Eu não aprontei nada Rafael, essa garota é louca, eu não acredito que ela fez isso. Disse Diana se retirando da mesa.
-Essas duas ainda vão me dar muita dor de cabeça.

Na casa de Orfeu e Marina...
-Eu posso saber o que você aprontou na casa de Fernanda? Perguntou Orfeu enfurecido com a mulher.
-Não sei por que você esta agindo dessa maneira comigo Orfeu, parece que você prefere ficar do lado daquela mulherzinha a do meu lado.
-Não tente mudar de assunto ou colocar a culpa em mim Marina, eu quero que você me explique detalhe por detalhe.
-Eu não devo satisfações a você Orfeu, olhe bem para a minha idade e para a sua, não era para estarmos discutindo assuntos fúteis.
-Porque você mudou tanto Marina, eu nunca esperava essa atitude partir de você.
-Às vezes precisamos tomar decisões difíceis em nossas vidas Orfeu.
-Não sei como você não consegue enxergar que Fernanda é uma garota boa, você me decepcionou Marina.
-Eu apenas enxergo a verdade Orfeu.
-Pois já que você disse que devemos tomar decisões difíceis em nossas vidas, eu decido tomar uma exatamente agora.
-O que você está pretendendo Orfeu.
-Não devo satisfações a você Marina, com licença. Disse Orfeu saindo de casa sem olhar se quer para trás. Mariana caiu em prantos devido àquela situação.

Enquanto isso no hospital em que Beth estava com os filhos...
-Agora nós precisamos levá-la para fazer o ultra-som senhorita Amanda. Dizia a médica.
-Nossa! Doutora eu estou tão emocionada com esse momento que eu nem sei o que fazer e dizer. Dizia Amanda quase chorando de felicidade.
-Você vai se emocionar mais ainda quando fizer o ultra-som, eu sou prova viva disso porque já fiz três. Dizia Elizabeth toda animada.
-Bem, então vamos logo aos finalmente e descobrir o sexo dessa criança. Disse o doutor levando a família toda à família a sala do ultra-som.
-Bem, pode se sentar na maca Amanda, eu vou passar esse gel e logo em seguida irei passar o ultra-som.
Passados alguns minutos...
-Eu tenho duas ótimas noticias para voes todos. Disse a médica passando o aparelho na barriga de Amanda.
-Pode falar doutora, qualquer notícia boa é sempre bem-vinda. Disse Elizabeth ao lado direito e de seu filho Matheus, do outro estava Pedro.
-Eu vou falar a primeira que já se completa com a segunda e vou ser curta e breve.
-Que suspense doutora! Disse Pedro angustiado.
-Vamos lá. O sexo das duas é feminino. Disse a médica. Naquele momento todos ficaram parados surpresos.
-A Senhora disse meninas? Perguntou Pedro para quebrar o silêncio.
-Sim, olhem aqui os dois anjinhos, parabéns mamãe, e desculpem pela indelicadeza, mas parece que vocês ficaram meio surpresos com tudo isso.
-Eu particularmente fiquei muito surpreso com isso eu pensei que eu ia ganhar apenas um filho, mas isso é ótimo. Disse Pedro.
-Eu estou muito feliz com essa notícia, duas meninas sempre foi o meu sonho. Disse Amanda emocionada, Pedro a abraçou.

12: 00 min AM

Na casa de Kátia...
A campainha toca e Glória, a empregada, vai atender a porta.
-Bom dia Glorinha eu posso entrar? Eu queria falar com a Kátia. Disse Márcia já entrando.
-Ela esta no quarto, pode ir até lá. Disse Glória, Márcia mal a esperou terminar de falar e já foi subindo entrando direto no quarto de Kátia.
-Nossa! Mas o que é isso, levei um susto agora mulher. Disse Kátia que estava sentada na cama com seu laptop no Messenger.
-Desculpe, é porque eu estou meia com pressa hoje. E você só no Messenger hein dona Kátia.
-Isso daqui é quase um vício pra mim, eu preciso urgentemente arrumar um emprego pra mim e ocupar minha cabeça.
-E o seu homem americano, não vai mais aparecer, todas nós estamos curiosas para conhecer o Paul.
-Infelizmente eu acho que nunca mais vou ter contato com ele, a Mariana ficou no meu pé pra eu me separar dele, acabei me separando.
-Que Pena! Espero que um dia você consiga achar alguém pra te completar.
-Mas, mudando totalmente de assunto, há que devo sua visita aqui hoje?
-Eu tava precisando de uma carona até um Hotel, e pensei se você poderia me levar.
-Um hotel? O que a senhora vai fazer em um hotel?
-Eu vou ficar no quarto de uma amiga, na verdade eu vou fazer uma nova viagem.
-Nossa! Que animação Márcia, mal acabou de voltar de uma e já que partir para outra.
-Essa viagem pra falar a verdade é para resolver alguns problemas familiares pendentes, mas prometo que volto em pouco tempo.
-Espero que sim! Bem, eu vou pegar a chave do carro e nós já podemos ir direto para o hotel, depois eu passo para pegar meus filhos no colégio.
-Brigada Kátia, sabia que podia contar com você.

06: 00 min PM
Na casa de Elizabeth...
O telefone celular de Beth começa a tocar.
-Alô
-Bom dia meu amor!
-Aqui ainda é tarde meu querido.
-Eu sempre confundo o fuso.
-Que saudade de você amor, todos nós aqui estamos com muitas saudades.
-Eu também, e muita. E as novidades como andam?
-Tenho uma que vai deixar você animadinho.
-Qual? Qual?
-Você vai ser avô de duas menininhas lindas.
-Que ótimo querida, fico feliz, mande um grande abraço pra Amanda e um grande beijo para meus filhotes.
-Mando sim. Um beijo amor, eu te amo.

-O papai está bem mãe? Perguntou Pedro do sofá, ele estava jogando videogame com o irmão.
-Sim, está sim, mas infelizmente eu ainda não sei quando ele volta essas ligações internacionais sempre tem que ser muito rápidas, quase não da pra conversar direito.
-Ele ficou animado em saber que iria ser avô de meninas? Perguntou Amanda do sofá.
-Mas é claro, bem crianças eu vou à casa da Fernanda e já volto se cuidem direitinho, por favor. Disse Elizabeth saindo.

Na casa de Fernanda...
Pietro e Fernanda estavam sentados no sofá assistindo televisão, os dois não havia quase descansado, passaram o dia todo arrumando a casa bagunçada, Fernanda ainda estava com as marcas de arranhão no rosto.
-Amor, você não tem que voltar a trabalhar na França? Perguntou Fernanda.
-Esse tempo todo que eu vou ficar por aqui estarei sendo remunerado pela empresa como se fossem férias, ao menos da pra ficar por aqui 3 meses. Mas porque essa pergunta agora? Perguntou Pietro.
-Eu estava curiosa, afinal sabia que você trabalhava na França, mas pensava que você havia sido demitido ou tinha saído por conta própria. Uma outra pergunta, o nosso namoro vai continuar como?
A campainha toca e Pietro não responde a pergunta e Fernanda levanta para atender a porta.
-Oi Nanda, vim fazer uma visitinha e trouxe um bolinho de chocolate como presente. Disse Elizabeth ao Fernanda abrir a porta.
-Nossa! Obrigada Beth, entre, por favor.
-Com licença, boa noite Pietro.
-Boa noite Beth, sente-se, eu vou dar licença para vocês poderem conversar melhor, vou à cozinha preparar um chá pra gente comer esse bolo. Disse Pietro levantando-se e dando lugar para Elizabeth.
-O que houve com o seu rosto amiga? Ele está todo arranhado. Perguntou Elizabeth preocupada assim que Fernanda sentou-se ao lado dela.
-É uma longa história inacreditável Beth, eu ainda estou muito pasma com tudo que aconteceu por aqui.
-O Pietro te bateu amiga? Não creio!
-Deus me livre Beth, a verdade é outra, deixa eu te contar a história...
A campainha toca novamente.
-Hoje essa campainha não me deixa nunca terminar de falar, toda hora quando vou falar algo importante ela toca. Disse Fernanda levantando outra vez para abrir a porta, mas Pietro gritou da cozinha que iria atender para não atrapalhar a conversa da namorada com Beth, Fernanda na hora sentou-se. Quando Pietro abriu depara-se com a mãe, na hora o incidente acontecido na noite anterior retornou todo em sua cabeça.
-O seu pai sumiu Pietro, me ajude!
-Por favor, mamãe nós não queremos encrenca por aqui de novo, queira se retirar ou eu mesmo retiro à senhora daqui. Disse Pietro.
-Meu filho me desculpe por tudo, mas você tem que me ajudar, eu só estava pensando no seu bem. Disse Marina aos prantos.
-Com licença Beth – Disse Fernanda se levantando do sofá indo à direção da porta – Queira se retirar daqui por bem dona Marina ou eu terei que tira - lá a força.
-Parem com isso agora! O papai deve estar em lugar seguro à senhora não precisa se preocupar, agora vá pra casa, por favor, eu não quero passar mais stress. Disse Pietro quase chorando e subindo direto para o quarto.
-Esta vendo o que você fez garota, esta tornando minha vida em um inferno. Disse Marina olhando diretamente para Fernanda.
-Eu não estou fazendo nada dona Marina, a senhora que insiste em implicar comigo. Disse Fernanda.
-Você foi a pior coisa que aconteceu na minha vida, sua vagabunda de quinta categoria.
-Eu não tenho tempo pra perder com a senhora. Disse Fernanda fechando a porta na cara de Marina, Fernanda começou a chorar também e Elizabeth deu um abraço nela de conforto.


FIM DO DÉCIMO TERCEIRO CAPÍTULO
 

This Post has No Comment

Postar um comentário

Postagem mais antiga Postagem mais recente